Definição 

O Mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia maligna com origem nas de células plasmáticas e nos seus precursores. Este tipo de neoplasia representa cerca de 8% de todos os tumores hematopoiéticos caninos, sendo o seu aparecimento relativamente raro em gatos. A causa exata do MM é desconhecida, mas pensa-se que possa estar associada a uma expressão anormal da proteína ciclina D, um importante regulador do ciclo celular. Em alguns estudos foi sugerido que possa existir predisposição genética. Para além disso, a sua origem foi também associada a alterações moleculares, infeções virais, estimulação contínua do sistema imune e exposição a agentes carcinogénicos.

Sintomas 

Os sintomas incluem letargia, vômito, diarreia, falta de apetite, perda de peso, aumento do volume de urina (poliúria) e do consumo de água (polidipsia), dificuldade em andar e sinais de sangramento (por exemplo, sangramento nasal, sangramento das gengivas, pele pálida, hematomas, melena, hematúria). 

As células plasmáticas são produzidas na medula óssea e nos pacientes que desenvolvem mieloma múltiplo, essas células multiplicam-se de forma incontrolável. Essa superprodução provoca a eliminação de outras células produzidas na medula óssea, tais como outros tipos de glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas, levando ao aparecimento de síndromes paraneoplásicas, também conhecidas como doenças secundárias. Exemplos incluem doença renal, níveis elevados de cálcio, perda óssea (também conhecida como osteólise), diminuição do sistema imune, distúrbios hemorrágicos e hiperviscosidade (espessamento do sangue).

Diagnóstico

Uma vez que os sinais clínicos são bastante inespecíficos e comuns a outras doenças, são necessários diferentes testes para diagnosticar o mieloma múltiplo. O diagnóstico definitivo requer uma citologia de medula óssea. Adicionalmente, devem ser realizados um hemograma completo, um painel de bioquímica sérica (útil na deteção do aumento do nível de globulinas, um tipo de proteína geralmente aumentada no MM), Eletroforese de proteínas séricas e urianálise. Se existirem sinais de hemorragia devem ainda ser incluídos testes de coagulação. As radiografias esqueléticas ou TAC são também recomendadas para determinar a presença e extensão das lesões osteolíticas, que podem ter implicações diagnósticas, prognósticas e terapêuticas.

Tratamento

O mieloma múltiplo não tem cura, mas existem tratamentos que permitem diminuir os sinais clínicos e estender significativamente a qualidade e a duração da vida da maioria dos pacientes. A quimioterapia é altamente eficaz na redução do número de células do mieloma, aliviando a dor óssea e reduzindo os níveis de imunoglobulinas séricas. Agentes alquilantes em combinação com prednisona constituem o tratamento de eleição. Este tratamento é administrado por semanas a meses de acordo com a resposta do animal. Os bisfosfonatos, tais como o pamidronato, são úteis para controlar a hipercalcemia e a dor óssea. Podem ainda ser necessários analgésicos nos casos em que existem lesões osteolíticas dolorosas. 

Prognóstico 

A melhora subjetiva nos sinais clínicos é esperada dentro de 3-4 semanas após o início da terapia. A eliminação completa das células neoplásicas raramente é alcançada e uma eventual recidiva é esperada. O tempo médio de sobrevivência (MST) para cães é de 540 dias quando tratados com Melfalan e prednisona e de 220 dias quando tratados apenas com prednisona. O prognóstico piora quando existe hipercalcemia e doença renal. 

 

Hugo Gregório, MV 

Cátia Ramos

Este artigo foi útil?

Por favor, selecione o que se adequa à sua situação. Agradecemos o seu feedback.

Obrigada!

Nós realmente apreciamos isso

Erro

Ocorreu um erro. Este pedido já não pode responder até ser recarregado.