A gestação da cadela

A gestação na cadela dura cerca de 63 a 65 dias a partir do primeiro acasalamento. Contudo, devido às variações do momento de ovulação, os acasalamentos múltiplos e duração variada do estro (cio) dificultam a identificação do dia de fecundação e, portanto, da data exata do parto. Assim sendo, é mais correto considerar um período de gestação de 56 a 70 dias a partir da primeira cobrição.

A educação e informação do proprietário são fundamentais no maneio de uma cadela gestante. É aconselhável examinar a cadela com suspeita de gestação por volta das 4 semanas, altura em que se estabelece o diagnóstico de gestação. Todas as cadelas que mostrem sinais de doença devem ser criteriosamente avaliadas.

O diagnóstico da gestação

O diagnóstico de gestação pode ser feito de 3 formas diferentes:

  • Palpação abdominal: é um método mais útil após o primeiro mês de gestação, mas pode não ser muito fiável no caso da fêmea se encontrar obesa.
  • Ecografia abdominal: este método auxiliar de diagnóstico permite realizar um diagnóstico de gestação precoce (após os 21 dias de gestação). É muito útil também para avaliar a saúde e os batimentos cardíacos dos fetos. Por outro lado, permite saber qual o tamanho da ninhada.
  • Radiografia abdominal: pode utilizar-se este meio de diagnóstico após os 45 dias de gestação, uma vez que o esqueleto do feto não é visível antes deste tempo. Os raios X são também muito úteis por forma a determinar o número de fetos, a sua posição e a eventual possibilidade de morte fetal.

Não devemos esquecer que os Raios X são inofensivos após os 45 dias de gestação, uma vez que o desenvolvimento embrionário já está completo após esta fase.

As necessidades nutricionais da cadela gestante

Durante as seis primeiras semanas de gestação não se verifica um aumento considerável das exigências nutricionais da cadela.

O crescimento dos fetos é reduzido, a mineralização dos esqueletos ainda não se iniciou e o seu volume não restringe as capacidades gástricas da cadela. Em contrapartida, o considerável desenvolvimento dos fetos a partir da 6ª semana de gestação conduz a um aumento progressivo das necessidades proteicas, energéticas e minerais da cadela. Além disso, durante a última semana de gestação, é frequente a cadela perder o apetite. Assim, nesta fase, a cadela deverá ser alimentada com um alimento muito palatável, com elevado teor energético e excelente digestibilidade, que deverá ser fracionado em diversas pequenas refeições ao longo do dia. Este alimento, adequado também ao período de lactação, permitirá preparar o sistema digestivo da mãe para uma transição progressiva entre o final da gestação e o início da lactação, duas etapas com exigências nutricionais semelhantes.

Os momentos que antecedem o parto

Vinte e quatro horas antes dos trabalhos de parto, a temperatura rectal da cadela desce abaixo de 37,8°C e por vezes abaixo de 37,3°C. Esta descida de temperatura é causada pela quebra repentina de progesterona, essencial à manutenção da gravidez na cadela. O declínio da temperatura bem como o relaxamento palpável na musculatura pélvica e abdominal são os sinais mais fiáveis de que o parto está iminente. O início da lactação é bastante variável.

As fases do parto

Fase 1: É a mais longa etapa dos trabalhos de parto; é caracterizada por contrações uterinas e dilatação do cérvix. Os únicos sinais externos são inquietude e respiração ofegante. Durante essa fase a cadela ocasionalmente poderá vomitar, ter tremores ou procurará isolar-se num canto. Esta fase dura em média seis a doze horas

Fase 2: É a etapa da passagem do feto pelo cérvix e sua expulsão. O registo do tempo em que se sucedem os fenómenos desta fase, tais como as contrações e movimentos, são essenciais para um bom controlo. Quando a cabeça do feto chega ao cérvix, um reflexo neuro-endócrino inicia a libertação da hormona oxitocina; as contrações subsequentes poderão ser observadas externamente, revelando ao proprietário que a cadela se encontra na segunda fase do parto.

Devem ser evitados quaisquer distúrbios ambientais, já que a cadela, se assustada, poderá inibir voluntariamente as contrações. A membrana corioalantóica externa rompe-se ao movimento do feto pelo canal de nascimento e ele nasce envolto apenas pelo saco amniótico. Cerca de 40% dos cachorros nascem de nádegas. Os cachorros nascem normalmente de meia em meia hora ou de hora a hora até terminarem os trabalhos de parto, não obstante os intervalos serem irregulares.

Fase 3: Nesta fase ocorre a expulsão das placentas. Pode ocorrer após cada nascimento ou após o nascimento de dois ou três cachorros. As placentas devem ser contadas; não obstante as placentas retidas poderem ser diluídas e expelidas com os lóquios - corrimentos sanguíneos que se verificam após o parto - elas podem contribuir para uma metrite pós-parto.

Sinais que justificam a procura de assistência veterinária imediata:

  • Qualquer sinal de doença numa fêmea em fim de tempo.
  • História de distocias anteriores.
  • Mais de 70 dias de gestação.
  • Mais de 24 horas desde que a temperatura rectal desceu, sem início de parto.
  • Mais de 24 hora de anorexia numa fêmea em fim de tempo.
  • Mais de 3 horas na fase 2 do parto sem que nasça o 1º cachorro.
  • Mais do que 30 minutos de contrações ativas entre cachorros, sem que nasça nenhum.
  • Mais do que 2 horas de contrações fracas sem expulsão de nenhum feto.
  • Cadela com quadro doloroso.
  • Sinais radiográficos de mau posicionamento fetal.
  • Quando o fim do parto ocorre sem que tenham nascido todos os cachorros.

Este artigo foi útil?

Por favor, selecione o que se adequa à sua situação. Agradecemos o seu feedback.

Obrigada!

Nós realmente apreciamos isso

Erro

Ocorreu um erro. Este pedido já não pode responder até ser recarregado.