Gatos e cães mais velhos: como proporcionar uma boa velhice ao seu animal de companhia

Tem um animal de companhia mais velho? Gatos e cães idosos são mais propensos a desenvolver doenças, e a melhor forma de prevenir complicações é com um diagnóstico precoce. A seguir, explicamos tudo o que precisa de saber para cuidar da saúde do seu cão ou gato sénior.

Sabia que 30% dos cães e gatos seniores apresentam algum tipo de doença crónica incipiente quando são sujeitos a uma revisão regular? Nestes casos, como explica José Gómez, diretor médico da AniCura Iberia, o animal "mantém uma vida normal e aparentemente saudável, mas a doença está presente".

A partir de que idade se considera um cão ou um gato mais velho?

O impacto da idade em cada animal depende muito da raça, mas geralmente considera-se que passa para a fase sénior quando atinge 75% da sua esperança média de vida. Por exemplo, no caso dos cães pequenos como chihuahuas ou yorkshire terriers, com uma esperança de vida de cerca de 12-15 anos, consideram-se velhos a partir dos 9-11 anos. Por outro lado, os cães maiores, com uma esperança de vida menor, como os são-bernardos, que vivem entre os 8 e os 10 anos, consideram-se idosos a partir dos 6 anos.

No caso dos gatos, é diferente porque as raças não têm tanto impacto e o tamanho entre elas, em geral, não varia tanto. Neste sentido, as fases da vida de um gato são mais universais, e entre os 11-14 anos já são considerados seniores.

Nos últimos anos, graças aos avanços da medicina veterinária, a esperança de vida dos animais domésticos aumentou enormemente, e com isso aumentou também a incidência de muitas doenças.

Que doenças afetam os cães e gatos sénior?

Os problemas médicos mais comuns entre os animais mais velhos são muito semelhantes aos dos humanos. Destacam-se:

  • Artrose: a artrose em cães acontece principalmente por causas genéticas e os sintomas aparecem muito gradualmente, fazendo com que o cão se habitue e não demonstre dor. O mesmo ocorre no caso de artrose em gatos.
  • Patologias renais: a doença renal poliquistica em gatos embora também possa ocorrer em menor medida em cães, diminui o funcionamento correto dos rins de forma súbita e duradoura. O animal vai mostrar-se fraco, dorido e pode apresentar sintomas gastrointestinais, como vómitos ou diarreia, ou mesmo neurológicos.
  • Problemas cardíacos: as cardiopatias em cães podem manifestar-se de formas muito diversas e com diferentes graus de gravidade. Os casos mais graves em animais de idade avançada podem causar insuficiência cardíaca.
  • Doenças endócrinas: como diabetes em cães e gatos ou hipertiroidismo felino, são doenças do sistema endócrino onde o diagnóstico precoce é uma das chaves para minimizar o impacto da doença.
  • Cancro: o cancro em animais é uma realidade tão comum como nos humanos. Existem diferentes tipos e todos começam como uma doença silenciosa que é difícil detetar a tempo.

Como vimos, a maioria destas doenças manifesta-se de forma muito silenciosa no início, sem sintomas específicos. É comum passarem despercebidas se não forem realizados check-ups regulares, e só nos estágios mais avançados é que os cuidadores começam a detetar sintomas alarmantes.

"Isto complica porque começamos a tratá-las mais tarde e vamos perseguindo a doença em vez de a abordar nos seus estágios iniciais", comenta José Gómez.

Como cuidar do seu animal de companhia mais velho

Em geral, à medida que um cão ou um gato vai envelhecendo, é necessário adotar medidas para adequar o dia a dia às suas necessidades. Inevitavelmente, haverá mudanças na atividade física, alimentação, brincadeira ou descanso. Cada etapa da vida requer necessidades específicas.

Visitas ao veterinário

Embora as visitas regulares ao veterinário devam ser constantes ao longo de toda a vida do animal, ao chegar à velhice devem aumentar:

José Gómez indica que "a importância da deteção precoce de doenças crónicas é uma tarefa pendente, embora estejamos a fazer grandes progressos na sensibilização dos cuidadores sobre os problemas silenciosos que podem afetar os nossos animais seniores".

Adaptar a casa ao seu animal mais velho

Inevitavelmente, terá de fazer alterações em casa para a tornar mais confortável e fácil para o seu cão ou gato sénior. Por exemplo, será muito importante ajudá-los com as alturas: o seu animal já não tem a agilidade que tinha antes, por isso precisará que coloque bancos ou pontos intermédios para que possam subir aos seus lugares favoritos, o sofá ou a cama até a uma mesa ou o parapeito de uma janela.

Certifique-se que obtém acessórios adequados: taças mais ergonómicas ou caixas de areia com um lado mais baixo para os gatos pode ajudá-los muito no seu dia a dia. Tenha também em mente que com a idade irão perder agilidade, talvez o seu gato precise de ser escovado com mais frequência porque já não consegue fazer a sua própria higiene, e o seu cão pode tornar-se mais desajeitado e precisar de tapetes para não escorregar em áreas especialmente polidas.

Descubra o nosso guia para acompanhar o seu cão sénior e o seu gato sénior da forma que precisam.

Entre em contacto com um veterinário

Este artigo foi útil?

Por favor, selecione o que se adequa à sua situação. Agradecemos o seu feedback.

Obrigada!

Nós realmente apreciamos isso

Erro

Ocorreu um erro. Este pedido já não pode responder até ser recarregado.