FeLV – O que é e como cuidar do seu gato com vírus da leucemia felina

FeLV é provavelmente a doença vírica mais importante em gatos. Cerca de 1 em cada 3 gatos que contactam com o vírus desenvolvem infeção permanente que é quase sempre fatal.

A infeção por FeLV causa uma grande variedade de sintomas e ao enfraquecer as defesas imunitárias do gato, torna-o suscetível a outras infeções.

O que é o FeLV?

O vírus FeLV (Feline leukemia virus), mais conhecido como leucemia felina, é uma doença que compromete as defesas imunológicas dos gatos domésticos e felídeos selvagens e pode provocar anemia. Com o vírus, o felino fica vulnerável a doenças infeciosas, lesões na pele, desnutrição, cicatrização mais lenta de feridas e problemas reprodutivos.

Esta doença muitas vezes é confundida ou associada ao FIV, o vírus da imunodeficiência felina. No entanto, embora tenham muitas semelhanças entre si, como o facto de serem doenças graves causadas por um vírus que afeta o sistema imunológico e podem ser terminais, também têm diferenças entre si.

Como se transmite a doença?

O FeLV está presente nas secreções corporais do gato, principalmente na saliva. O vírus pode ser transmitido quando os gatos se lambem uns aos outros, partilham os mesmos comedouros, espirram sobre os outros ou se mordem entre si.

Outras vias de infeção possíveis, mas menos comuns, são a transmissão venérea e a transmissão durante a gestação dos gatos ou por ingestão do leite materno pelos gatinhos.

Poderá o meu gato ter FeLV?

Cerca de 1 em cada 100 gatos têm infeção persistente, estando o vírus permanentemente presente no corpo.

Quando vários gatos partilham a mesma casa, há maior probabilidade do vírus ser transmitido de animal para animal e de mais gatos serem afetados. O risco de exposição ao vírus aumenta com a idade. Contudo são os animais mais jovens (com menos de 6 meses de idade) que têm mais probabilidade de serem infetados e 1 em cada 3 gatos, desenvolve a doença.

O mais habitual é que nas consultas veterinárias se faça uma análise de rotina para detetar esta e outras doenças.

Como poderei saber se o meu gato está infetado?

Deve suspeitar de FeLV quando o seu gato contrai doenças com muita frequência. Há um teste de sangue simples que mostra se o seu gato esteve ou não em contacto com o vírus.

É necessário realizar 2 testes com intervalo de poucas semanas para se poder ter um diagnóstico fiável.

Quais são os sintomas do vírus da leucemia felina

 A doença resultante da infeção pelo FeLV pode provocar o aparecimento de diferentes sintomas ou alterações, entre os quais se destacam:

  • Febre
  • Perda de apetite
  • Letargia
  • Perda de peso
  • Deterioração e perda do pelo
  • Má recuperação de doenças
  • Inflamação dos gânglios linfáticos
  • Anemia
  • Alterações gastrointestinais
  • Infeções da pele
  • Infeções das vias respiratórias superiores

Além disso, uma percentagem considerável de gatos é afetada pelo cancro como consequência da leucemia. Pode afetar diretamente a medula óssea ou outros órgãos como os rins, os intestinos, o fígado, o timo ou os gânglios linfáticos.

Quanto ao diagnóstico, normalmente os sintomas são tão inespecíficos que, por vezes, pode ser difícil realizar um diagnóstico preciso durante a primeira fase da doença. Assim, por exemplo, se um gato apresentar atraso no crescimento ou deterioração da sua massa corporal, é necessário ir ao veterinário para dissipar qualquer suspeita de leucemia.

Quais as consequências do FeLV?

Em mais de metade dos gatos que morrem por FeLV, o problema é resultado direto da destruição dos glóbulos brancos sanguíneos que são a principal defesa do organismo contra as doenças. 

Este facto torna o gato mais suscetível a outros agentes. Nos restantes casos os sintomas podem incluir infertilidade, aborto ou o nascimento de gatinhos muito debilitados, inflamação ocular, rápida perda de peso, doença intestinal ou lesões neurológicas.

Um gato infetado pode parecer saudável vários meses, mas 80% dos gatos morrem 3 anos após serem infetados.

Existe tratamento para o FeLV?

Após a infeção se ter estabelecido há forma de a deter. O tratamento médico fará com que o seu gato fique mais confortável, e ajuda outras infeções que poderão ocorrer como resultado do FeLV.

A primeira vacinação deve ser feita em gatinhos entre as 8 e as 10 semanas, devendo ser realizada revacinação anual para manter o gato protegido.

Mas se o seu gato já estiver infetado não poderá ser vacinado, daí a importância da realização do teste antes da vacinação.

A vacina contra o FeLV é segura?

A vacina contra o FeLV é segura, mas em casos raros pode ocorrer reação no local da injeção. Se apenas tiver um gato em casa, que nunca tem acesso ao exterior, a vacinação é provavelmente desnecessária.

Quando há muitos gatos em casa ou um novo gato está prestes a chegar, o melhor é fazer o teste de FeLV a todos, e vacinar aqueles que ainda não tenham tido contacto com o vírus, antes do novo animal chegar.

O que fazer se o meu gato tiver FeLV?

Se ambos os testes derem positivo é seguro afirmar que o seu gato está infetado com o vírus da leucemia felina.

Um gato infetado deve ser isolado de outros (mesmo que estes estejam vacinados) e não deve nunca ter acesso ao exterior.

AniCura Santa Marinha Hospital Veterinário

Entre em contacto com um veterinário

Este artigo foi útil?

Por favor, selecione o que se adequa à sua situação. Agradecemos o seu feedback.

Obrigada!

Nós realmente apreciamos isso

Erro

Ocorreu um erro. Este pedido já não pode responder até ser recarregado.