O que fazer se o meu cão entrar em contacto com a lagarta do pinheiro?

Quando chega o verão, muitos cuidadores de cães aventuram-se em excursões com os seus companheiros peludos. Em caso de contacto com a lagarta do pinheiro ou processionária (assim denominada devido à forma como as lagartas se deslocam, parecendo que vão em procissão), fornecemos-lhe as instruções necessárias enquanto se dirige ao veterinário.

Com a chegada do tempo quente, é comum ver muitos cuidadores a explorar o ar livre com os seus amigos peludos.

Estas são as recomendações a seguir enquanto vamos para o veterinário, no caso de o nosso cão ter estado em contacto com a lagarta processionária, dado que, muito provavelmente, estejamos muito longe da nossa clínica habitual.

É extremamente importante abandonar a zona do incidente o mais rapidamente possível, uma vez que estas lagartas podem deixar vestígios de pelos ou de substâncias irritantes quando se deslocam. É igualmente aconselhável abrigar-se do vento, que pode arrastar consigo estes elementos. Se houver vários cães, é fundamental evitar a sua interação. Além disso, devemos evitar o contacto direto das nossas mãos ou da pele com o cão.

Devem ser efetuadas várias lavagens e irrigações com água (se não houver soro fisiológico disponível) das áreas afetadas, incluindo os olhos, as superfícies do corpo e até a cavidade oral e a língua. Devem ser efetuadas com pressão para gerar um efeito de "limpeza" e remover o máximo possível de pelos e/ou toxinas. Nunca devemos esfregar as zonas lavadas, pois podemos fragmentar os pelos irritantes e as bolhas venenosas, libertando uma maior quantidade de toxinas. Esta situação provocaria um agravamento dos sintomas clínicos.

Da mesma forma, deve ter-se o cuidado de assegurar que o cão não se coça ou esfrega contra objectos ou superfícies, nem tenta coçar os olhos ou a cara com as patas. Recomenda-se o contacto telefónico com a clínica veterinária para informar sobre a situação, os sintomas e a hora prevista de chegada, e a deslocação urgente ao centro veterinário para a tomada de medidas médicas adicionais.

Se os cuidadores não testemunharem o contacto com a lagarta do pinheiro, podem regressar a casa sem se aperceberem do risco, pelo que detalhamos os sintomas iniciais que os devem alertar e o que significa atrasar uma visita à clínica após esse contacto:

Os sinais clínicos dependem da área afetada pelos pelos da lagarta, da quantidade de toxina a que o cão foi exposto e do tempo decorrido. Os sintomas surgem geralmente minutos ou horas após a exposição e agravam-se com o tempo, podendo levar a sequelas graves e mesmo à morte. Por conseguinte, é essencial atuar o mais rapidamente possível, mesmo que os sintomas iniciais pareçam ligeiros.

No início, podemos notar uma mudança no comportamento do cão, que se manifesta por um aumento da inquietação ou do nervosismo. Pode ter urticária generalizada (mais frequente no rosto) e procurar coçar-se ou esfregar-se (o que deve ser evitado para não libertar mais toxinas no organismo). Pode aparecer vermelhidão na pele ou inchaço em qualquer parte do corpo, sintomas que podem indicar uma reação alérgica no cão e a necessidade de cuidados veterinários profissionais.

Se tiver entrado em contacto com os olhos observaremos sinais de desconforto e dor ocular, tais como inchaço ou fecho da pálpebra, resistência ao abrir o olho afetado, excesso de lágrimas, sensibilidade à luz direta, bem como vermelhidão do olho, da pálpebra ou da conjuntiva, ou mesmo o aparecimento de vesículas ou bolhas em diferentes partes do olho. Qualquer sinal de dor ocular ou de fecho súbito das pálpebras deve levar a uma visita ao veterinário.

Se o cão tiver lambido, ingerido ou tentado ingerir uma lagarta, as áreas mais afetadas serão a boca e o sistema digestivo, com possível envolvimento do sistema respiratório. É provável que haja inchaço do focinho e/ou dos lábios, língua inchada, salivação excessiva, náuseas ou mesmo vómitos ou diarreia, vermelhidão das gengivas e alterações da cor da língua (normalmente na ponta e/ou nos lados). Estas toxinas podem causar danos permanentes nestas áreas, levando mesmo à perda de tecido. Se a lagarta for ingerida pelo cão, estas lesões podem propagar-se ao resto do tubo digestivo.

Além disso, existe o risco de a inflamação se propagar à garganta e às vias respiratórias, provocando uma obstrução que impede a respiração. Por conseguinte, quaisquer sinais de náuseas, salivação excessiva, vómitos ou inchaço da boca ou da língua indicam a necessidade de visitar o veterinário com urgência.

Finalmente, em situações extremamente graves, o cão pode entrar em choque anafilático, manifestando-se por fraqueza ou prostração extremas, respiração alterada, alterações da cor da gengiva e falta de reação a estímulos. Esta reação descontrolada de todo o organismo, que afeta os sinais vitais, pode levar à morte se não forem tomadas medidas imediatas.

Por tudo isto, é essencial consultar um veterinário o mais rapidamente possível.

As recomendações para evitar que os nossos animais de estimação entrem em contacto com a lagarta processionária são as seguintes:

Em primeiro lugar, evite caminhar em zonas arborizadas com pinheiros, abetos ou cedros, especialmente no final do inverno e no início da primavera (geralmente de meados a finais de janeiro a finais de março ou início de abril).

Em segundo lugar, manter os nossos amigos peludos sempre com trela durante os passeios. Assim, é mais fácil retirá-los rapidamente dos locais onde as lagartas sejam visíveis, pois muitas vezes despertam a curiosidade dos cães e o seu instinto inicial é o de se aproximarem.

É importante respeitar os sinais de aviso, caso existam, e evitar caminhar em zonas onde estejam colocados tratamentos inseticidas ou armadilhas para lagartas.

Se forem identificados ninhos de lagartas, sugere-se que se contactem as autoridades competentes (geralmente as autarquias locais) se estiverem em áreas públicas, para que possam ser tomadas as medidas adequadas.

Se as árvores estiverem na nossa propriedade ou perto do local onde o cão vive, é necessário consultar profissionais sobre tratamentos preventivos. Se forem detectados ninhos, a sua remoção é essencial. Outras ações podem incluir a colocação de armadilhas para apanhar as lagartas quando estas descem do ninho.

Entre em contacto com um veterinário

Este artigo foi útil?

Por favor, selecione o que se adequa à sua situação. Agradecemos o seu feedback.

Obrigada!

Agradecemos muito

Erro

Ocorreu um erro. Este pedido já não pode responder até ser recarregado.