Depressão ou tristeza nos gatos: sintomas e tratamento

Suspeita que o seu felino está triste ou deprimido? Se notou que o animal está apático ou diferente há algum tempo, pode estar a passar por um período de tristeza ou depressão. Na AniCura, explicamos como distinguir entre tristeza e depressão, quais são os sintomas mais comuns e alguns tratamentos.

Como tratar a depressão no meu gato?

A depressão nos gatos pode surgir por uma variedade de razões. Além disso, é importante ter em conta que cada animal, tal como as pessoas, é único e, por isso, pode ser afetado, em maior ou menor grau, por situações imprevistas, medos, mudanças de rotina ou outros fatores.

Explicamos exatamente o que é a depressão nos gatos, como diferenciá-la dos períodos de tristeza e quais os tratamentos mais adequados para os ajudar a recuperar a sua atitude e comportamento habituais e grantir o bem-estar felino.

Depressão nos gatos

A depressão é uma doença que afeta não só os seres humanos, mas também os animais, incluindo os felinos. Apesar da sua reputação de independentes e solitários, os felinos são muito sensíveis e reativos a mudanças ou situações inesperadas.

A depressão pode afetar gravemente os gatos, levando-os a mostrar apatia, desânimo e tristeza profunda. Em termos de causas, embora a mudança de casa possa ser uma das mais comuns, pode também dever-se a outras causas ambientais.

Gato deprimido com a mudança de casa

Existem vários fatores que podem desencadear a depressão em felinos, mas as mudanças nos hábitos e no ambiente costumam ser especialmente significativas. Também é importante lembrar que os gatos não são tão solitários como geralmente se pensa; na verdade, são animais sociáveis que experimentam uma forte reação a mudanças no seu ambiente ou nos seus entes queridos.

Por isso, se está a planear mudar de casa ou fazer quaisquer outras alterações que possam perturbar a rotina do seu gato, é aconselhável observar atentamente o seu comportamento para detetar sinais de tristeza ou depressão.

Mudanças com gatos: siga estes conselhos

Para minimizar o impacto da mudança no seu gato, é importante que esteja especialmente atento para tentar que o trauma seja o menor possível. Lembre-se que os gatos precisam de tempo para se adaptarem à sua nova casa e na mudança perdem todas as referências às quais estão habituados.

  • Durante a mudança, ofereça-lhe um espaço onde se possa sentir seguro, longe do barulho, da confusão e das pessoas estranhas a entrar em casa. O melhor é procurar um quarto o mais afastado do caos possível e habituá-lo a esse espaço com antecedência. Duas semanas antes, por exemplo, coloque todos os seus objetos (caixa de areia, brinquedos, pratos de água e comida...) para que, quando começar o barulho da mudança, ele já se sinta confortável lá.
  • Faça o mesmo na nova casa, para que possa habituar-se ao espaço gradualmente enquanto se instala e tenha sempre essa sala designada como ponto de referência. Deixe-o explorar tranquilamente e ao seu ritmo.
  • O último a sair: o seu gato. Quando a casa já estiver vazia e tudo organizado para a mudança, coloque o gato na transportadora e partam. O ideal é que o seu gato já esteja habituado à transportadora e que se sinta confortável lá.
  • Mime-o ainda mais, estando especialmente atento ao animal, brincando e distraindo-o. Quanto melhor se sentir o seu gato na nova casa e mais tempo de qualidade lhe dedicar, menores são as probabilidades de que se sinta triste e o stress dê lugar à depressão. Claro, não negligencie as rotinas que tenham, como os jogos ou o momento da escovagem.
  • Certifique-se que cria um espaço adequado para o seu gato, colocando a caixa de areia numa área apropriada, oferecendo espaços suficientes de diferentes alturas para que possa subir e sentir-se confortável... e um ou vários arranhadores colocados estrategicamente para que o seu gato possa arranhar bem.

Gato deprimido pela morte de outro gato

Outra das razões mais comuns para a depressão em gatos é a morte do seu companheiro. Os gatos, embora sejam conhecidos por serem solitários e independentes, são muito afetuosos e sociais. Se o teu gato estava habituado a conviver com outro, é normal que sinta falta dele e entre em depressão quando ele já não está, tal como um ser humano.

Neste caso, para ajudá-lo e acompanhá-lo, é importante minimizar as mudanças na sua vida. Evite mover móveis de lugar, mantenha as rotinas de alimentação, brincadeira e escovagem. Na verdade, é recomendável que dedique ainda mais tempo ao contato físico, prolongando a escovagem e oferecendo-lhe a sua companhia.

Se a origem da depressão do seu gato for a perda de um membro da família ou de outro animal de estimação, a companhia de um novo felino pode ajudar na recuperação do seu gato. Mas não faça isso imediatamente, deixe passar algum tempo de luto antes de introduzir outro animal em casa, pois é provável que ele não o aceite bem.

Sintomas de gatos deprimidos

O conhecimento da personalidade do felino facilitará a identificação de possíveis indicadores de depressão. Embora estes variem de animal para animal, alguns dos principais sinais de depressão nos gatos são:

  • Alterações na sua atitude ou comportamento habitual.
  • Aumento do medo, da agressividade ou do comportamento destrutivo.
  • Aumento das horas de sono.
  • Atitude apática e menos interesse pelo jogo.
  • Alterações na sua relação com os seres humanos.
  • Alterações nos seus hábitos de higiene.
  • Problemas digestivos e diminuição ou aumento do apetite.
  • Miau persistente.
  • Falta de interesse pelos estímulos.
  • Problemas urinários ou na utilização da caixa de areia.
  • Maior tendência para se esconder e por períodos mais longos.
  • Sintomas de stress ou ansiedade.

É importante lembrar que, embora estes sintomas sejam alguns dos mais comuns, eles não aparecem necessariamente em todos os felinos que passam por um período de depressão. Podem também indicar outras condições ou doenças, pelo que a depressão nos gatos deve ser diagnosticada por um especialista.

Como curar a depressão nos gatos

A depressão nos gatos, tal como nos humanos, é uma doença mental que pode influenciar o seu comportamento, manifestando uma variedade de sintomas. Por conseguinte, é altamente recomendável consultar um veterinário para confirmar se esta doença está efetivamente presente e para iniciar o tratamento adequado o mais rapidamente possível.

Para além do tratamento prescrito pelo veterinário após um diagnóstico, siga as orientações profissionais juntamente com hábitos ou ações simples, como por exemplo:

  • Acariciar e massajar suavemente para relaxar o animal.
  • Passe pelo menos 30 minutos por dia a brincar com o seu felino.
  • Faça-o sentir-se útil.
  • Proporcionar entretenimento com jogos cerebrais concebidos para gatos.
  • Aumentar o tempo que o felino pode desfrutar do sol e da natureza.

Se o diagnóstico indicar depressão no seu gato, lembre-se que passar tempo de qualidade com ele e recuperar os seus hábitos diários é essencial para melhorar o seu humor. Pergunte ao seu veterinário como ajudar o seu gato a recuperar de forma rápida, eficaz e segura.

Entre em contacto com um veterinário

Este artigo foi útil?

Por favor, selecione o que se adequa à sua situação. Agradecemos o seu feedback.

Obrigada!

Nós realmente apreciamos isso

Erro

Ocorreu um erro. Este pedido já não pode responder até ser recarregado.